Minissérie baseada em ‘Cem anos de solidão’ deve ter três temporadas e será ‘fiel ao livro’

O hábito da leitura diária faz bem para o cérebro
14 de março de 2019
O que Machado de Assis e ‘O gambito da rainha’ têm em comum?
12 de dezembro de 2020

A adaptação de “Cem Anos de Solidão”, romance de Gabriel García Márquez que vai virar série da Netflix, terá “cerca de vinte horas distribuídas em três temporadas”, segundo Rodrigo García Barcha, um dos filhos do escritor colombiano. Ele é um dos produtores executivos do projeto, ao lado do irmão Gonzalo.

A série foi anunciada no ano passado, mas os primeiros detalhes sobre a produção surgiram agora, numa das sessões do 8º Festival Gabo. Rodrigo García Barcha participou de uma entrevista virtual com o diretor chileno Andrés Wood e o crítico de cinema colombiano Samuel Castro.

“Ainda não está totalmente decidido, mas acho que serão três temporadas de oito, seis e oito horas. Algo por aí”, disse o filho do escritor. Rodrigo revelou ainda que o roteirista porto-riquenho José Rivera adaptou o livro e escreveu os primeiros capítulos. “Todo livro é difícil de adaptar e no caso de Gabo há um histórico de adaptações ruins”, lembrou.

“Os romances de Gabo têm muito pouco diálogo. E quando seus personagens falam, é de forma muito contundente, lapidar e poética. E isso não funciona no cinema. (Os personagens) não podem falar o tempo todo como se fossem deuses ”, avaliou García Barcha. Por isso, na opinião dele, é preciso que “roteiristas e diretores assumam o livro”.

“Só vai dar certo se o diretor tiver uma visão universal da adaptação. É preciso tomar certas liberdades, caso contrário não funciona “, disse ele durante a palestra.

A produção provavelmente não deixará ninguém indiferente, pois terá mudanças desde os primeiros compassos, mas Rodrigo garante que será fiel ao original:

“(Rivera) fez algumas mudanças que não reinventam nada, é muito parecido com o romance. Mas fez algumas mudanças estruturais inteligentes, que não serão alarmantes. Ele é muito fiel ao livro”, garantiu o filho de García Márquez.

Num bate-papo virtual anterior, com com o escritor Alberto García Ferrer, também organizado pela Fundação Gabo, García Barcha garantiu que o roteiro do primeiro capítulo está pronto.

“Gabo (..) disse uma vez que se ‘Cem Anos de Solidão’ não fosse um romance, teria feito muitos filmes em vez de escrever o livro. Felizmente, não foi assim”.

Fonte: O Globo